sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

UFSC: no rumo da universidade necessária


Chamada por um grupo de técnico-administrativos, professores e estudantes, aconteceu nessa quinta-feira, dia 07 de novembro, uma reunião pública para discutir a possibilidade de uma candidatura para as eleições na UFSC. A discussão foi chamada tendo como referência o nome de Irineu Manoel de Souza, que participou da última consulta, na qual saiu vencedor Luiz Cancellier. 

As eleições na UFSC acontecem de maneira atípica, depois da tragédia que vitimou Cancellier. Preso pela Polícia Federal, sofreu violência e humilhações, sendo também impedido de entrar na universidade, sob uma acusação de tentativa de obstrução de Justiça, sem qualquer prova ou embasamento. Premido pela humilhação pública ele acabou se matando. Com sua morte veio a necessidade de substituição legal.

Como a UFSC não tem nos seu estatuto uma regra clara para a transição em caso de morte do reitor, adveio uma grande confusão. A vice-reitora, apesar do apoio recebido de toda a comunidade para seguir com o mandado, acabou pedindo licença de 60 dias e deixou a universidade sem direção. A partir daí abriu-se o debate para novas eleições diretas. E foi o que acertou o Conselho Universitário.

Na reunião realizada no CSE, com a presença de um bom número de trabalhadores e estudantes, as falas que se seguiram apontaram a necessidade de uma candidatura que seja firme na defesa da universidade pública, hoje sob forte ataque por parte do governo e das forças da repressão. O programa apresentado por Irineu nas últimas eleições ainda segue bastante atual nessa conjuntura porque aponta para a necessidade do aprofundamento da democracia, para a transparência, para a participação efetiva dos trabalhadores e estudantes no comando da instituição. Tem posição clara quanto ao Hospital Universitário, a pesquisa, a extensão, pelas 30 horas e contra o ponto eletrônico.

Foi lembrado também que a conjuntura é bastante favorável para uma candidatura que seja bastante radical, no sentido de não abrir mão da defesa intransigente de uma universidade visceralmente ligada aos interesses da comunidade onde está inserida.

As forças que compõe o poder na UFSC estão em movimento. Possivelmente haverá uma candidatura da direita tradicional, que na última eleição foi representada pelo professor De Pieri, a qual virá para defender os interesses de grupos bem específicos dentro e fora da UFSC. Também haverá candidatura representando o grupo de Cancellier, representando a continuidade do projeto que estava em curso, alinhado aos ditames do governo e sem uma postura mais radical com relação aos grandes problemas estruturais da universidade.

A candidatura de Irineu Manoel de Souza pretenderá ser essa radicalidade. Uma candidatura sem ambiguidades. Capaz de dialogar sem medo com os trabalhadores, de caminhar segura no sentido de garantir a permanência dos estudantes e de constituir com os professores propostas vinculadas a vida da cidade e do país. O reitor necessário agora, nessa conjuntura, é o que fala claro e aprofunda os processos participativos de decisão. Um dirigente que seja capaz de discutir em profundidade a questão das Fundações e que dirija um processo nacional de construção de outro projeto de universidade, popular, nacional e transformadora.  

Essa é nossa hora histórica. Momento único de garantir que a universidade de Santa Catarina seja o motor da mudança. São tempos difíceis que exigem posturas radicais. O grupo reunido no CSE indica o nome do Irineu para comandar esse processo.

A partir de agora, devem se realizar novas reuniões, visitas aos setores e a reconstrução coletiva do projeto apresentado na última eleição. A conjuntura não é mais a mesma de um ano e meio atrás. Vivemos um processo de golpe no qual a universidade vem sendo alvo de ataques e o Banco Mundial indica sua destruição. Não é tempo de vacilações ou meias-palavras. É tempo de firmeza e de clareza política.

Vamos com Irineu rumo à universidade necessária.  


quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

As tarefas do pai


Imagine um homem que foi arrimo de família uma vida inteira. Sempre preocupado com as contas, com os compromissos, com as compras, com tudo. Tudo apontadinho, tudo organizado. Meu pai sempre foi assim. Aí vem aquele momento do esquecimento. A memória falha, as coisas ficam confusas. Isso parece ser coisa normal entre aqueles que vivem muito. E já se vão lá 86 anos...

Por isso é fundamental que, nessa etapa da vida, eles tenham tarefas cotidianas para cumprir. É uma maneira de não se sentirem inúteis. Outro dia, ao chegar a casa, ele estava agitado. Pegou minha mão e disse: precisamos conversar, com aquele tom solene. Então, explicou: “preciso ver como arranjar um emprego. Tenho que trabalhar”. Posso com isso?

Expliquei pra ele que já trabalhara muito, por quase 50 anos, e que agora estava aposentado. Falamos longamente de seus antigos empregos e tudo o que já fizera. E que isso garantia a ele seu salário, portanto não precisava preocupar. Ele respirou, aliviado: “agora tô mais tranquilo”.

Também mostrei que ele segue tendo obrigações importantes. É da responsabilidade dele regar as plantas, secar os pratos e cuidar dos cocozinhos dos cachorros, tarefas que cumpre religiosamente, até quando chove.

Essa última, dos cocôs, ele cumpre de um jeito bem peculiar. Caminha pelo quintal, de ponta a ponta, procurando por eles. Encontrando-os, coloca ao lado deles um pauzinho, como uma marcação. Quando eu chego, no fim da tarde, ele está esperando no alpendre e já avisa: “tá tudo marcadinho”. É a minha vez de atuar então, juntando cada um dos cocôs e enterrando na compostagem. Ele faz sinal de positivo com o dedo, sorri e dispara: “parceria perfeita”.

E é bem assim.  

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

As casas choram...



Havia tempos que eu não passava pela Mauro Ramos. E, assim, de chofre, amuei. Lá estava a lógica dos espigões colocando abaixo mais algumas daquelas casas típicas, açorianas, que um dia fizeram a paisagem da rua. Poucas restam agora. Sempre me encantei com aquelas que ficavam ali próximas da Fecesc, três, grudadinhas, parede com parede. Agora não há mais.

Uma delas foi preservada para servir de fachada a um destes monstros de cimento. O pastiche de um tempo que não existe mais. Uma casquinha ritual, absolutamente perdida de sua beleza e historicidade, tal como ficou a Casa do Barão.

Casas que um dia pertenceram aos mais ricos, claro, por isso tão bonitas e cheias de rococós. E que poderiam servir de casas de cultura, cinema, pontos de cultura, sei lá. A gente se apossando dos espaços que no passado nos eram negados. Mas, não. Eles continuam não sendo nossos e mesmo fazendo parte de toda uma arquitetura típica ficam ali, como uma farsa.

Parei diante da casinha verde, que parecia gritar de medo e de solidão, e chorei. Minha cidade vai sumindo na bruma dessa modernidade burra. Logo, logo não haverá na Mauro Ramos mais que prédios e templos. 


quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Sobre a depressão



Então, de repente, começa a aparecer nas redes sociais uma postagem sobre depressão. Uma novidade que vai acabar com o problema. Esse é um tema que me toca, fui lá ver. Diz o texto que o número de pessoas diagnosticadas com depressão no Brasil cresceu 61% nos últimos dez anos, passando de 5,5% da população em 2006 para 8,9% em 2016. A taxa brasileira é a maior em toda a América Latina e a segunda nas três Américas, ficando os Estados Unidos em primeiro lugar. No mundo todo a taxa é de 4,4%.

A considerar esses números da tal pesquisa, o Brasil teria 17 milhões e 800 mil pessoas sofrendo de depressão. E, segundo a Organização Mundial de Saúde, o Brasil é o campeão mundial em ansiedade, tendo 9,3% sofrendo com esse problema, o que dá um total de quase 19 milhões. Juntando os dois dramas, depressão e ansiedade, temos cerca de 37 milhões de almas afetadas. Ainda segundo a OMC, em 2015, 788 mil pessoas morreram por suicídio. Isso representou quase 1,5% de todas as mortes no mundo, figurando entre as 20 maiores causas de morte em 2015. Entre jovens de 15 a 29 anos, o suicídio foi a segunda maior causa de morte em 2015.

Deveras, os números são estarrecedores. E os índices aparecem em todo o mundo, sendo a menor taxa a de 2,9%, numa pequena ilha da Oceania.

Segundo pesquisas médicas a depressão é de fato uma doença causada pela deficiência ou mau funcionamento de um neurotransmissor chamado serotonina. Esse neurotransmissor tem várias funções dentro das pessoas, muitas delas ainda não descobertas. É a serotonina que mantém o cérebro em vigília, que regula o humor, que equilibra a saciedade e o desejo sexual, regula a temperatura corporal, sensibilidade à dor, e muitas coisas mais.

Assim, a solução para esse problema passa a ser óbvia: remédio! E é por aí que atua a indústria farmacêutica, empurrando toda a sorte de medicamentos que regulam e reequilibram a tal da serotonina já que sem ela ficamos de mau humor, perdemos o interesse na vida, comemos sem parar ou não comemos, e não dormimos.

Cá comigo fico pensando que se há um neurotransmissor dentro de nós que se desequilibra, esse desequilíbrio não acontece por mágica. Ele é provocado. E o agente provocador tem um nome: capitalismo.

Alguém pode dizer: ah, lá vêm esses esquerdopatas com essas teorias mirabolantes sobre as maldades do capital. Tudo bem. Mas, vamos pensar. Como alguém que não tem emprego, ou que perdeu a aposentadoria, ou que ganha mal e não consegue reproduzir a vida, que tem de enfrentar cinco horas no trânsito para chegar ao trabalho, que é vigiado pelos feitores, que não tem moradia, que vive afogado no medo, que não consegue estudar, que não tem lazer, que mal pode ver os filhos porque trabalha demais, que não consegue cuidar dos pais e outras tantas dores mais, pode não se deprimir? Como não viver em estado de ansiedade se o Datena diz todos os dias que vivemos num mundo de terror? Como não viver em sobressalto se não há esperança de presente, nem de futuro? Como não desequilibrar a serotonina se o alimento que se come não é mais natural, está impregnado de veneno e de outros químicos?

A vida que o capitalismo nos apresenta como a vida moderna não é a melhor vida. Pelo menos não para os trabalhadores. Pode ser para o 1% que vive do trabalho dos demais. Mas, para os 99% não é boa não. Ah, mas eu tenho celular, tablete, computador, TV de LED, tenho acesso a tudo de bom que o capitalismo criou. Pode ser, mas a que preço? O trabalho te rouba vida, as tecnologias te roubam vida, os alimentos processados te roubam vida, a falta de contato humano comunitário te rouba vida, tudo isso desequilibra teu corpo, tua mente, teu ser inteiro. Alguém pode dizer que em Cuba também tem depressão e lá não tem capitalismo. É verdade. Não tem capitalismo, mas a ilha vive atacada pelo capitalismo há 60 anos, então, sofre os efeitos também.

A depressão e a ansiedade, que tomam conta da alma de quase 40 milhões de brasileiros, são males típicos do capitalismo, é uma doença social. Disso não tenho dúvidas. E o capitalismo é tão “bonzinho” que é também capaz de criar os medicamentos que te façam ficar bem, de bom humor, de bem com a vida, mesmo vivendo nesse inferno. Dá-lhe ritalina, clonazepan, triptox5, e outras cositas más. Uma pílula e tudo fica bem, bora seguir arrastando a canga no trabalho, se acabando, e ainda assim chegar em casa sorridente, comer uma porção de transgênicos agrotoxicados e  prontos para uma boa transa. O mundo não é tão ruim, afinal. E se não tiver grana para um remedinho chique, tem a pinga, a cerveja, qualquer outra coisa que libere a tal da serotonina, essa malvada.

Alguns ainda orientam a equilibrar a serotonina com comida saudável. Um bom vinho, chocolate amargo, sementes, frutas. Mas, aos pobres, isso está inviabilizado. Comida tem de ser orgânica e o orgânico custa o olho da cara. Então, come-se o que tem no mercado mais barato. Não há escolhas. E se a liberdade escolher entre possibilidades concretas, não há liberdade.

A vida é uma batalha renhida no capitalismo. Batalha de morte. Não dá para amolecer. É certo que, às vezes, uma muletinha cai bem. Mas ela tem de ser pontual e cirúrgica. O que precisamos mesmo é garantir a nossa serotonina no braço, cortando a cabeça do capital, mudando o modo de organizar a vida. Nada de amortecer a dor e ficar no sofá vendo a Globo. Há que treinar o corpo, fortalecer os músculos, afinar a pontaria, estar pronto para a peleia. Porque ela é cotidiana.

Heráclito já mostrou lá atrás que a essência da vida é movimento. E é assim que enfrentamos. Movendo-nos, espreitando os inimigos, armando-lhes armadilhas, alertas, alertas.


A tristeza é coisa boa, nos faz ruminar. A ansiedade nos faz avançar. São sentimentos e sensações do humano. A depressão é doença social do capitalismo. Para ela acabar, temos de acabar com ele. E não há o que temer. Quando o capitalismo morrer e vier no seu lugar o comunismo, vai ser tão bom, tão solidário, tão comunitário, tão bonito, que nossa serotonina cantará e dançará dentro de nós, fazendo com que nossos corpos também possam celebrar a alegria e o prazer, vivendo numa sociedade de riquezas repartidas, sem propriedade privada e sem exploração. 


quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Transporte coletivo: rebelião já!


Ouvi hoje no rádio a propaganda da prefeitura de um aplicativo que poderemos ter nos celulares, com o qual vamos saber onde o ônibus está. Está bem, sou explosiva e violenta. Mas hoje fui ao auge. Confesso que minha vontade era fazer como aquele personagem do Michel Douglas, no filme “Um dia de fúria”. Tudo pelos ares! Sorte eu estar em casa. Pude me acalmar.

Senhor prefeito, por favor, ande de ônibus. Não queremos saber onde o ônibus está. Nós queremos que o ônibus passe no horário, porque temos de pegar dois ou três carros antes de chegar aonde temos de chegar. E se perdemos o horário num, a vida toda atrasa.

Não queremos saber onde o ônibus está. Nós queremos um corredor de ônibus exclusivo para que o coletivo possa circular rápido e chegar rápido no trabalho, no cinema, na casa do nosso amor, onde for. Nós queremos um transporte verdadeiramente público, que se importe com o usuário e não com o lucro dos empresários. Nós queremos um sistema verdadeiramente integrado que nos permita ir de um bairro a outro sem passar pelo centro, fazendo por vezes, duas vezes o caminho.  

Nós sabemos que os corredores são inviáveis para a prefeitura, porque se forem feitos, vão provocar a ira das pessoas que andam de carro. A classe média motorizada vai chiar. Pois eu digo em alto som: Fodam-se os carros. Foda-se a classe média motorizada. Que fiquem mofando no trânsito enquanto a gente passa ligeirinho pelos corredores exclusivos. Tenho certeza que logo estarão andando de ônibus também, porque será mais rápido.

O nosso sistema na ilha chama SIM, ou Sistema Integrado Municipal. É uma mentira, um tormento, um sofrimento, um terror. É um NÃO. Ele é comandado por meia dúzia de empresários que estão nesse ramos há décadas. Vejam onde eles moram, como vivem, o que comem, como se movimentam na cidade. Não sabem o que é viver esse estresse cotidiano, sistemático, irracional. Hoje, perdemos de três a cinco horas no percurso entre a casa e o trabalho. É uma tortura isso.

Não há qualquer argumento veraz para não fazer o corredor exclusivo. Não há. Eu posso desenhar esse sistema. Imaginem os técnicos.

Essa é uma cidade mansa demais. Apavora-me saber que em pouco tempo todos estarão com seus aplicativos procurando saber onde o ônibus está. Já eu não. Quero uma rebelião. Transporte público/estatal já! E corredores exclusivos.

A parte isso, boas ciclovias e transporte marítimo. Já fica aí a dica para o perfil do novo prefeito ou nova prefeita. E, sinceramente? Podia ser eu!


quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Primeira Marcha da Periferia de Florianópolis


Foto: Rubens Lopes

No dia 20 de novembro, a periferia de Florianópolis ocupou o centro da cidade para gritar contra o genocídio do povo negro. Já não é de hoje que, na guerra de classes vivida no Brasil, é o negro aquele que mais sofre. São negros os que são assassinados, 70% dos casos. São negros os que apodrecem nas prisões, 67% dos apenados. São negros os que são empurrados para a periferia, sem emprego, sem moradia, sem nada. A periferia é herdeira dos quilombos, lembraram os manifestantes, que se concentraram em frente à Catedral. Os quilombos eram espaços de liberdade que os negros foram construindo ao escaparem da escravidão. E, depois da libertação jurídica, sem terra e sem trabalho, também acabaram sendo espaço de organização e vida. Hoje, passado tanto tempo, o Brasil não superou a chaga da escravidão. E a liberdade é só formal. Sobrevive o preconceito e a discriminação. Por isso o grito segue sendo necessário. A Primeira Marcha da Periferia foi organizada pela CSP Conlutas, Movimento Nacional Quilombo Raça e Classe, Quilombo Brasil e Islam Continente, e reuniu negros e indígenas. Para os que se reuniram nessa caminhada histórica, a luta só pode acabar quando chegar ao fim o sistema racista e capitalista que mata negros e índios há mais de cinco séculos.
A marcha também lembrou os ataques atuais, no governo Temer, como as reformas Trabalhista e da Previdência que aumentarão o desemprego e a miséria. Isso sem falar do ataque direto que esse governo faz aos quilombolas e indígenas, buscando retirar deles as terras conquistadas. Há que colocar abaixo esse governo e todas as suas contrarreformas. Fotos: Rubens Lopes

O jornalismo, a Pobres e o Rubens



Parceiros: na Rádio Campeche, no corpo a corpo com a vida

Nessa quinta, às 9h, no Curso de Jornalismo, o querido Rubens Lopes defende seu trabalho final, depois de cumprir uma longa caminhada para chegar ao jornalismo. Nascido em Santa do Alegre, no interior de Minas Gerais, seu destino poderia ser o de quase toda a gente trabalhadora dali: o campo. Tanto a vó, Rita, como a mãe, Edna já tinham trilhado esse caminho. Mas, ele era curioso demais e seus olhinhos vívidos estavam sempre procurando a vereda das gentes.

Vendendo picolé nas ruelas da cidade ele foi percebendo que Santana era um lugar cindido. Pobres e ricos muito bem demarcados. As camionetas dos latifundiários fazendo sombra às velhas bicicletas da gente rural. Depois, trabalhando numa floricultura, ele adentrou aos casarios da pequena burguesia e pode compará-los às moradias humildes daqueles que eram como ele. Na fábrica de leite, o contato com os demais trabalhadores lhe deu a verdadeira ideia do que é ser explorado até a última gota de sangue e ainda ser agradecido ao patrão. Histórias e histórias que lhe saltavam na cara, e que se remoíam dentro dele, sem saber como sair.

E foi para fazer esse parto que ele decidiu fazer o curso de Letras, que chegou à cidade justo quando ele terminou o segundo grau. Quem sabe, nos livros, ele não encontrava um jeito de fazer brotar aquela angústia que lhe tomava. Os estudos começaram, mas a inquietude não parava.

Foi então que ele se deparou com o exemplar do primeiro número da Pobres e Nojentas, uma revista de reportagem produzida em Florianópolis, pela tia do amigo Renato. Os textos que saltaram das páginas encontraram lugar no seu coração e ele soube que era aquilo que queria fazer. Narrar a vida das gentes que, como ele, andavam pelos caminhos fora do centro de poder.

Por essas coisas da vida o amigo Renato saiu de Santana, indo para Florianópolis seguir o seu sonho que era o de estudar música. Esse passo levou Rubens a também buscar o seu desejo maior. E ele embarcou de mala e pão-de-queijo para a capital catarina. O propósito era passar na Federal, no Curso de Jornalismo. E foi um duro processo. Mas, ele enfrentou cada pedra com fibra e decisão. Cabeça nos livros, pré-vestibular popular no Campeche, professora particular conseguida em permuta e lá foi ele. Tentou e não conseguiu. Tentou de novo e de novo. Então, passou.

Não foi um aluno comum. Bem antes de entrar no curso já tinha se engajado no Instituto de Estudos Latino-Americanos, onde foi realizando um lindo trabalho. Filmagens, fotografias, assistência técnica, carregador de mesas e livros. Cada pequena oportunidade de aprender ele agarrou, apaixonando-se cada dia pela América Latina. Também embarcou na viagem da Rádio Campeche, atuando como produtor e repórter do programa Campo de Peixe.

Como não podia deixar de ser, seu primeiro texto jornalístico foi publicado na revista Pobres e Nojentas. Falava de um trabalhador de Santana, sua gente nunca esquecida, então imortalizada pelas suas palavras. Ele encontrara seu lugar. Demorou para terminar o curso, não por mandrião. Mas, por excesso de vontades. Viajou pela Pátria Grande, fotografando as gentes, andou o Brasil todo no projeto Indígena Digital, fotografando e ensinando, querendo para os meninos e meninas que encontrava pelo caminho o mesmo destino que tivera: força para buscar o sonho. O jornalismo vibrava dentro dele e tudo aquilo que queria dizer e não sabia como, agora encontrava o caminho de se fazer.

Nesse dia 23 de novembro o Rubens encerra essa pequena jornada apresentando seu trabalho final de Jornalismo. É uma monografia sobre a revista Pobres e Nojentas, a publicação que orientou seu mundo. Na convivência com as jornalistas que conformam a revista ele solidificou seu projeto de ser e com elas tem caminhado em projetos diversos, sempre à margem, no jornalismo libertador. É um companheiro, um pobre e nojento como nós.

O menino de Santana agora tem o título com o qual sonhou por noites a fio. Mas sabe que o homem que ele  se tornou é mais do que o título que está chegando. Forjado nos caminhos vicinais ele prepara os alforjes para novas aventuras,  sempre posicionado do lado certo da história, com os trabalhadores, com os seus.

Eu, que por caminhos tortos acabei tendo participação nisso tudo, só posso me alegrar e compartilhar amorosamente desse momento estelar. Vai ser uma grande festa.

O ciclo termina, mas outro vem. E eu sei que lá irá o gafanhoto construir belezas.

Parceiros da vida, estaremos juntos. 


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Derlei



Eu não a conhecia, mas já tinha escutado sobre ela. Então, ela me ligou, pedindo ajuda para divulgar um livro que havia escrito. Pedi que me mandasse 20 exemplares que tentaria vender também. Ela mandou. O livro chegou . “No corpo e na alma” era a narrativa de sua militância contra o golpe de 64. A luta no movimento estudantil, iniciada na UFSC, depois na Ação Católica, a clandestinidade, a prisão, a tortura e o exílio. Li de um único fôlego, entre lágrimas. Um relato sem véus de um tempo cruel, no qual jovens apaixonados pela vida e pela liberdade, deram seus melhores anos para defender o bem-viver. No relato de “Leila” ficava bem claro o compromisso que foi assumido para defender o Brasil e toda a gente da barbárie que representa um golpe militar.

Pouco tempo depois, no universo das lutas da cidade, eu a conheci pessoalmente. Parecia difícil crer que Leila era ela. Baixinha, risonha, amorosa e delicada. Mas, ao passar dos dias, ficava cada vez mais fácil ver a Leila na Derlei de Luca. Na luta para garantir a Verdade e a Memória era gigante e implacável. E foi assim que todos nós fomos conhecendo e convivendo com Derlei, acompanhando e compartilhando da luta para abertura de arquivos, na busca dos desaparecidos, na manutenção da lembrança dos que caíram, na perseguição da verdade.

O Coletivo Catarinense Memória, Verdade e Justiça, cujo nascedouro foi ainda no início dos anos 80, teve Derlei como sua primeira coordenadora e durante todo esse tempo foi impulsionado por ela. Estar com ela era caminhar com a história da resistência, era aprender, na prática, o conceito de não se entregar.

A Derlei agora não estará mais nas marchas, nem nas audiências, nem nos gabinetes, iluminando os caminhos e clamando por Justiça. Ela não estará. Encantou. Mas aquela força inquebrantável que a levou, jovenzinha ainda, para a luta contra a ditadura, permanece naqueles que com ela conviveram em todos esses  anos. Continuar a luta por Memória e Verdade, trincheira onde travou suas últimas batalhas, é o que temos de fazer, para honrar sua vida.

Memória, Verdade e Justiça, tanto ainda por conquistar. Mas, essa vereda construída e trilhada por Derlei seguirá aberta, para que todos nós caminhemos.

Foi uma linda vida, Derlei. E nós te agradecemos por tudo! Que bom que tivemos tempo para estar contigo, te abraçar e te dizer tudo isso. 

Caminhada pela Verdade - 2014


sábado, 18 de novembro de 2017

Das pequenas delicadezas



Meu amigo Nildo tem uma expressão que ele aprendeu no México que é “ningunear”. Significa tu não dar importância àqueles que estão contigo, por perto. Ningunear, tornar ninguém. Isso é muito comum entre a gente. Geralmente tecemos loas para pessoas que estão distantes, famosas, midiáticas, enquanto temos ao nosso lado criaturas igualmente valorosas. Por isso tenho como prática viver homenageando as pessoas que estão perto de mim. Pessoas que amo, respeito e admiro. 

E das coisas bonitas que já vivi nessa minha larga vida de jornalista, guardo sempre com mais carinho as homenagens dos “meus”. Hoje, limpando o altar dos meus afetos, deparei-me com esse singelo regalo: o “Prêmio Volodia Teitelboim” que recebi dos meus amigos queridos do Portal Desacato, num dos primeiros Cafés Anti-coloniais promovidos por eles. Uma adorável caixinha de madeira com um pequeno pergaminho dentro. Uma pequena preciosidade. Ah, mas aí não vale. São teus amigos. Sim, são meus amigos, e por isso vale tanto. Porque eles me conhecem e, mesmo estando tão perto, me reconhecem. É bom ser homenageada por aqueles a quem amamos. 

Esses amigos queridos já ultrapassam uma década com essa proposta bonita do Desacato. Eu também os reconheço e agradeço todos os dias pelo valoroso trabalho que desenvolvem junto aos trabalhadores e trabalhadoras. Viva o Desacato, vivam todos esses companheiros e companheiras – velhos e novos – que fazem o jornalismo florescer! 


quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Nossos velhos precisam de nós


Fumando um charuto, no dia do aniversário do Che

Como diz o Ziraldo, a velhice acontece assim, de repente.  A pessoa está bem , fazendo coisas, controlando a vida, quando então, algo acontece. Com meu pai foi assim. Um dia, minha irmã o surpreendeu rasgando alguns documentos. Coisa que ele fazia cotidianamente, colocando fora os documentos já velhos, para não juntar lixo. Mas, entre os documentos rasgados, estava a escritura do único bem que ele tem: sua casa. Algo não estava normal. Pouco depois percebemos que ele estava descontrolado nos gastos, contraindo dívidas com o banco. Mais um sobressalto. Sua memória falhava e ele foi definhando. Completara 85 anos.

Levamos no médico e o diagnóstico foi Alzheimer. Prescreveu remédios fortíssimo que o tornaram um zumbi. Não andava e em pouco tempo já não conseguia nem pegar os talheres para comer. Aquilo não estava certo. Por sorte, na intuição, minha irmã suspendeu o remédio.

Foi quando decidi trazê-lo para morar comigo. Minha irmã mora no campo, sem qualquer condição estrutural de cuidar de uma pessoa idosa e doente.

Em Florianópolis consultei um jovem médico, Henrique Passos, desses, preciosos e necessários, que pensam no ser humano e não na doença. E do saco de remédios que ele trouxera, sobrou só um: o da pressão. A nova prescrição foi cuidado, atenção, conversas, passeios, estímulo artístico, interação social, alimentação saudável e balanceada. Tudo foi sendo cumprido e ele renasceu.

Ontem, lendo sobre a situação de João Gilberto, me dei conta do quanto a relação com os velhos precisa mudar. Eles definitivamente não podem ficar sozinhos. Não por um imperativo moral, mas por responsabilidade ética. A velhice tem outro ritmo, outras necessidades, outro ethos. E, a única maneira de manter a sanidade e a alegria por estar vivo é estar cercado de pessoas que lhes prestam atenção e garantem uma relação de amizade, de parceria, de companheirismo.

Há um momento em que a memória recente se vai, que as mãos ficam trêmulas, a capacidade de tomar decisões fica confusa, as funções intestinais se descontrolam. Vejo que não é demência, é simplesmente o início do apagamento da energia vital. Por isso eles precisam de gente por perto, para explicar as coisas milhões de vezes, sem irritação, para amparar o passo, para garantir o riso, para incentivar a memória, para caminhar ao sol, para brincar, para ver novela na TV, para contar das notícias, para ajudar na hora do banho.

Com meu pai tenho aprendido coisas demais. É fato que a vida da gente muda por completo e tudo o que era não é mais. Mas, ao mesmo tempo, coisas que nunca foram, passam a ser. E isso não é de todo ruim. Havia anos que eu não catava pedrinha na rua, havia anos que eu não aquietava em casa nas noites mornas da primavera, havia anos que eu não me demorava tanto para ir de um lugar ao outro, no passinho lento, parando eventualmente para ver o avião passar, ou o cachorro, ou o passarinho.

O fato é que assim como meu pai, o João Gilberto, uma hora começou a mudar, e, ao que parece não havia ninguém por perto para notar. Há que cuidar... Há que ficar por perto. Essa é uma hora que vai chegar para todos nós. E tomara que tenhamos alguém que nos observe assim, com olhar atento, pronto para nos guardar das dores e dos enganos.

O mundo capitalista nos ensina a ter muita pressa, a eliminar o entrave, o diferente, o chato. Não podemos aceitar isso. O futuro pertence aos homens lentos, dizia Milton Santos. Talvez seja isso que a velhice dos nossos queridos venha nos ensinar, na prática.  







terça-feira, 14 de novembro de 2017

Orçamento Legislativo Participativo: as gentes decidindo




Uma das experiências mais bonitas tocadas pelo Partido dos Trabalhadores no início de sua trajetória como institucionalidade foi a do Orçamento Participativo. As cidades sendo pensadas pelas gentes mesmas, as que as constroem e que as vivem. Florianópolis viveu esse momento durante o governo de Sérgio Grando, no qual Afrânio Boppré (então PT)  era vice-prefeito. E foi uma belezura. Todos os bairros faziam suas reuniões e discutiam suas prioridades para obras e serviços. Depois, decidiam o que fazer e quanto gastar em cada coisa. Pela primeira vez na história da cidade os moradores eram chamados para uma participação real e direta, na qual definiam eles mesmos o que fazer com os recursos do município. Foi um tempo em que as prioridades eram invertidas, pelo bem da maioria.

Com a volta dos políticos conservadores esse processo todo se perdeu, ainda que o germe da participação direta continuasse ativo. E tanto que quando a lei nacional do Estatuto da Cidade obrigou os prefeitos a iniciarem o Plano Diretor Participativo, toda aquela gente que  viveu a experiência do Orçamento Participativo voltou à carga, com força e com disposição. Decidir a vida da cidade é coisa que todo mundo quer. E é coisa que todo mundo deveria ter direito. E ainda que o processo do Plano Diretor não tenha sido vitorioso, a lógica da participação direta formou muita gente. Isso é ganho popular.

Pois agora, numa conjuntura na qual a Câmara de Vereadores conseguiu juntar um pequeno grupo de vereadores capaz de pensar os moradores como sujeitos reais de direitos, surge a proposta de um Orçamento Legislativo Participativo, uma ideia inovadora que pretende envolver os moradores da cidade na discussão e na decisão sobre os investimentos e gastos públicos do município no que diz respeito as emenda que os parlamentares têm direito.

A proposta envolve os vereadores Afrânio Boppré (PSOL), Lino Peres (PT), Marcos José de Abreu (Marquito, PSOL), Pedro de Assis Silvestre (Pedrão, PP) e Vanderlei Farias (Lela, PDT) e tem como objetivo principal manter a lógica de participação popular nas decisões da cidade, buscando tornar democrática a tomada de decisão acerca das prioridades sobre obras e serviços.

Os vereadores querem fortalecer a prática da participação direta e reverter a mentalidade clientelista que é marca registrada das emendas orçamentárias dos vereadores. Onde colocar o dinheiro das emendas historicamente tem servido como moeda de troca com o Executivo e para campanhas políticas, tornando o Legislativo um lugar onde o povo não é verdadeiramente representado.

O Orçamento Legislativo Participativo foi lançado nessa segunda-feira, dia 13, em sessão especial da Câmara de Vereadores e deve se fortalecer como um dos mais importantes desafios desse pequeno grupo de vereadores que realmente respeitam o mandato que receberam. A ação dos vereadores aparece como um importante contraponto à vergonha nacional que tem sido expressa na relação fisiológica de deputados e senadores, historicamente vendendo seus votos aos interesses da classe dominante.

Não será um processo fácil, os vereadores reconhecem, pois a prática da democracia direta não encontra espaço nos governos conservadores que se repetem na cidade. Mas, é uma iniciativa generosa e cheia de esperança. No lançamento da ideia, ontem, era possível sentir a alegria de cada um dos envolvidos em iniciar essa caminhada que é desafiadora, mas absolutamente necessária.

Será, talvez, a primeira vez que esse parlamento cumprirá uma função de utilidade real na vida dos moradores da cidade. Os recursos – de dois milhões e meio – que os cinco vereadores têm para usar com emendas parlamentares – serão usados a partir dos desejos das comunidades, depois de boas discussões comunitárias. É um valor baixo, que muito pouco mudará o rumo das coisas na cidade, mas na medida em que esses cinco vereadores decidem mudar a lógica, e entregar a decisão para a população, eles abrem as portas para uma prática verdadeiramente democrática que, se vingar, fatalmente obrigará os demais vereadores a abrir o debate com seus apoiadores também.

Com a presença de entidades sociais e populares na abertura dessa generosa proposta, o lançamento do Orçamento Legislativo Participativo foi um respiro de alegria nesses tempos tão sombrios.

Agora, é acompanhar a ação de cada um desses cinco vereadores que deram ontem um passo histórico. Juntos, ainda que com divergências, eles abrem passo para o “mandar obedecendo”, a única democracia possível.

Parabéns a todos e toda a força avante. É no chão da vida que as coisas começam a mudar.   


domingo, 12 de novembro de 2017

Sobre as feras no porão



Quem leu o clássico “Crime e Castigo” sabe que ali está plasmada uma ética. Um homem comete um crime, ninguém vê. Ele pode seguir com sua vida tranquilamente porque não houve testemunhas, ninguém nunca saberá que foi ele o autor do crime. Ainda assim ele se remói de remorsos, no sofrimento ético: ele sabe que foi ele quem cometeu a atrocidade. E assim transcorre a narrativa de Dostoiévski, centrada no sofrimento psicológico do assassino. É uma belezura de livro e, ao final, premido pelo dilema ético, o jovem se entrega. Não precisaria. Poderia sair impune. Mas, não consegue.

Hoje, os tempos são outros. Vivemos uma época anômica. Não há lei, não há regras, não há ética. Tudo parece permitido desde que o autor dos delitos não seja pego. Está autorizado roubar, se o cara for suficientemente esperto para não deixar rastros. Está autorizado matar, se não houver corpo nem testemunhas. Não há remorsos, não há dor de consciência. Não há nada. Inclusive um degenerado por vir a público defender outro degenerado, em nome de sabe-se lá o quê. Fico pensando que romance Fiódor escreveria nesses tempos sombrios.

O apresentador da Globo que foi descoberto agora em uma atitude racista, um ano depois do fato, teve esse azar. Foi pego. Disse o que disse cercado de testemunhas, e não ficou nem vermelho, porque sendo quem é acreditou que estava acima do bem e do mal. Outra característica do tempo. Mesmo tendo testemunhas, há determinado tipo de gente que não sofre consequências. Certamente não sofrerá. Já tem muita gente defendendo o “pobre” rapaz. Um tempo na geladeira e logo estará de volta.

É assim. Vivemos o racismo estrutural. Impregnado no DNA de uma sociedade escravista. Para os projetos de ‘sinhozinhos e sinhás’ o negro sempre será um animal sem alma, servindo apenas para servi-los. Isso inclusive assume uma capilaridade que toma até a mente daqueles que nunca chegarão a ter uma “casa grande” para chamar de sua. São os feitores modernos, sempre prontos a chicotear aos que a classe dominante ordena chicotear.

O Brasil não está voltando à idade média, como dizem alguns. Essa estrutura erguida pelo domínio português nunca saiu de lá. Vive, latente, nos porões da memória de todos os corpos. Por isso assoma quando a conjuntura parece favorável. São como feras, aprisionadas, mas nunca mortas. O racismo, o ódio ao pobre, à mulher, ao homossexual, o desrespeito ao velho, o descuido com a criança. E, em meio a isso, a servidão voluntária daqueles que se conformam com as migalhas que caem da mesa dos ricos.

Sim, essas feras estão aí, agora cada vez mais soltas. Cabe a nós empreender a luta para fazê-las retornar ao porão. 




sexta-feira, 10 de novembro de 2017

UFSC: nada está normal!



Nessa sexta-feira, técnico-administrativos, professores e estudantes realizaram uma assembleia conjunta para discutir as ameaças que pairam sobre a universidade e sobre os trabalhadores.

Um olhar desavisado diria: tudo está normal. Os pró-reitores todos trabalhando, o reitor interino também, o Áureo passeando pelo saguão, algumas pessoas indo e vindo das salas da reitoria, e num dos lados do hall, as três categorias, em número não muito significativo, expressando a pouca mobilização, discutindo a conjuntura e buscando caminhos para sacudir a UFSC.

Motivos não faltam. O governo Temer vem desmontando o serviço público desde o congelamento dos investimentos, e agora promete diminuir salários, retirar direitos e quem sabe, de quebra, privatizar um pouco mais essa já combalida instituição.

Ora, isso é a normalidade.

Não, não é!

No saguão da UFSC, onde se desenrolam todas essas cenas, há uma presença, que interpela e exige. É a presença de Cau Cancelier, o reitor. Impossível não sentir. Há pouco mais de um mês ele saltou para a morte, não suportando o peso da acusação de ser um “criminoso”, responsável por obstruir o trabalho de investigação sobre uso indevido de recursos.

A operação da Polícia Federal, que infligiu ao reitor uma absurda e desnecessária humilhação, até agora nada disse sobre as acusações. Eram verdadeiras? Eram falsas? Nada!  A comunidade segue no escuro. Só no dia 27 de outubro , quase dois meses depois da malfada ação, o Conselho Universitário finalmente montou uma comissão para investigar os fatos relacionados ao processo que deu origem a operação ouvidos moucos. A equipe, que conta com dois professores, dois estudantes e dois técnicos, terá 30 dias para apresentar a conclusão dos trabalhos. Assim, até o dia 27 de novembro, a comunidade seguirá às escuras.

Então, nada está normal na UFSC, apesar da aparente tranquilidade.

Um homem morreu. E os outros professores e técnicos que foram presos também, acusados de malversar dinheiro, seguem vivendo a agonia do desterro da UFSC. Quem pode esquecê-los? Eu não. Os via todos os dias no corredor do meu Centro, pertencem ao meu mundo cotidiano. Lembro e me preocupo, ainda que mal os conheça. Quantos não estarão também com a alma em escombros?

Tem um mistério aí para se revelar. E a UFSC é a que precisa fazer isso. Esclarecer a sua comunidade, interna e externa, sobre o que aconteceu, e que levou à ainda dolorosa ausência do reitor.  Que isso não tarde. Há que restituir à memória de Cau a sua dignidade. A UFSC deve isso a ele.

Por isso, nada está normal na UFSC.

Hoje, observando os mesmos lutadores de sempre, na cotidiana batalha de informar e formar, contra vento e maré, acerca dos grandes desafios que estão postos para nós, trabalhadores e estudantes, me veio essa terrível sensação:  nada está normal. Nada está bem. Nada está como sempre foi.

Há que reconstituir essa alma despedaçada da UFSC. E isso é trabalho nosso.

Nessa manhã chuvosa de uma assembleia esvaziada, eu tinha tudo para desesperar, mas não. É quando me dá essa gana louca de começar a rolar de novo a pedra até o alto da montanha. Há um longo caminho de reconstrução da nossa luta como trabalhadores, e há que recuperar aquele velho amor que sempre embalou nossa relação com a UFSC, essa universidade que ainda não é como a queremos. Mas, que pode ser. 


quinta-feira, 9 de novembro de 2017

A escolha do PSOL

Com Nildo Ouriques, pela revolução brasileira 

Era 2004. Tudo conspirava para uma acomodação por conta da eleição de Lula. Eu estava na direção do Sintufsc, e começamos uma luta feroz contra o governo por conta da reforma da previdência. Nossa crítica a Lula nos custou muito. Perdemos amigos, enfrentamos a fúria de colegas que eram parceiros históricos. Mas, tínhamos claro que nosso primeiro compromisso era com os trabalhadores. Nunca nos furtamos a isso. Combatemos sem piedade. Fomos derrotados. Tudo bem. A vida seguiu.

Naqueles dias vivíamos, eu e outra colega, um processo difícil de censura e assédio moral na Agecom, onde trabalhávamos. Estava duro. Então, recebemos o convite para começar um trabalho de estudo sobre a América Latina, coordenado pelo Nildo Ouriques, com a participação de Beatriz Paiva. Não hesitamos e lá fomos nós construir uma história de belezas.

Foi no mês de julho de 2004 que nasceu o Observatório Latino-Americano, espremido numa pequena salinha do Serviço Social. Ali, começamos essa experiência incrível que desembocou na criação do IELA, em 2006. Remando contra vento e maré, fomos realizando coisas. Pesquisas floresceram, trabalhos de extensão foram criados, diálogos com a sociedade foram iniciados, a América Latina sendo exposta como esse espaço geográfico cheio de maravilhas, até então praticamente desconhecido. O IELA transformou-se em um lugar de criação do conhecimento e, para além dos trabalhos de investigação e de extensão, começou a recuperar os mais importantes pensadores do continente em uma coleção editorial chamada Pátria Grande.

Cada dia desses 13 anos de trabalho foi um desafio, cumprido com alegria, com entusiasmo, com profundo amor pela Pátria Grande.

E o motor de todo esse processo sempre foi Nildo Ouriques. Um sonhador, um realizador, uma criatura de extrema generosidade, comprometido com a partilha do conhecimento. Um cara de uma capacidade de trabalho incrível, motivador, instigante, capaz de superar, com incrível tranquilidade, todos os obstáculos, que nunca foram poucos.

E assim, no IELA, cada sonho sonhado foi se fazendo, ora aos trancos e barrancos, ora mais suave. Mas, tudo que nossa mais louca imaginação apontou se fez, por mais impossível que parecesse. Porque havia paixão, havia compromisso. E segue havendo.

Sempre comparei o Nildo com uma pandorga, esse instrumento da meninice que nos ensina a brincar e amar o infinito. E assim ele é, feito a pandorga, voado alto no céu, loucamente girando ao sabor das tormentas, mas sempre firmemente preso a terra, à realidade, ao mundo que precisamos mudar.

Nesses anos todos de parceria no IELA travamos muitas batalhas, demos muitas risadas, choramos, atravessamos os difíceis pântanos da intolerância e da incompreensão. Nunca esmorecemos.

Por isso, agora, ver o Nildo disputar a candidatura para a presidência da República pelo PSOL não me surpreende. Porque essa ousadia é a marca do Nildo. Sempre apontando para o horizonte, para o infinito, tal qual a utopia. O impossível se realizando, o caminho se abrindo, e ele avançando. Espero firmemente que o partido que ele escolheu para sua militância não se intimide e acolha sua candidatura. Tenho certeza absoluta que será como um vento forte, varrendo a mediocridade da pequena política. Porque conheço e respeito essa capacidade abissal que o Nildo tem de enfrentar a vida e os problemas. Sei do seu brilhantismo, da sua capacidade, da sua força e do profundo amor que ele tem a esse país, aos trabalhadores e a essa ideia generosa de Pátria Grande.

Com ele eu vou, por qualquer caminho, sem titubeio. Construindo a revolução brasileira. E vou segura, porque sei quem ele é e o que é capaz de fazer.  

Que o PSOL escolha o Nildo. Vai ser bom!


terça-feira, 7 de novembro de 2017

Sobre o Plano Diretor...


 A Costeira, antes da Expressa Sul


Sim, eu amo essa cidade. Amo demais. Cheguei aqui em 1987, disposta a passar apenas quatro anos. O plano era fazer a faculdade e zarpar. Mas, já no primeiro dia eu vi o Mercado Público, e a Lurdinha, e o samba, e a Copa Lord. Aí, pronto, estava capturada para sempre. 

Desde então, viver e amar a cidade tem sido meu cotidiano. E, com as gentes, tenho lutado para mantê-la linda e boa de viver. Um luta inglória, visto que vamos perdendo as batalhas, uma a uma.


Agora essa. O STJ decide manter aquela excrescência de Plano Diretor, votado num final do ano, com mais de 600 emendas acrescentadas, sem que a comunidade as conhecesse. Destas, 300 foram aprovadas, e nem os vereadores sabiam do que se tratava. Não precisava. O capital mandou, os servos acataram. Sobrou a resistência de três vereadores (Lino, Afrânio e Pedrão)e de uma parcela da população que acorreu à Câmara, e gritou, e lutou, e apanhou da polícia. 


Pois aí estamos, nesse ano de golpe, no qual todos os direitos vão se perdendo, com um judiciário que não precisa mais fazer jogo de cena. Não restará pedra sobre pedra. Tudo é decidido em favor da classe dominante, mesmo que esteja fora da lei. Não há lei para os ricos. A lei é só para os pobres. 

A Florianópolis que emergirá desse Plano Diretor ilegítimo é a Florianópolis do capital, dos predadores, dos empreendedores. Esses seres sem compaixão, que pouco se importam com as gentes. Tudo o que querem é cimento e lucro.

É um momento de profunda tristeza.

Compartilho aqui um texto que escrevi em 1996, quando de mais uma derrota: a construção da via expressa sul, que destruiu a Costeira e toda aquela beleza. Nele, choro mais essa derrota de hoje.


Uma cerimônia de adeus

Assisti ontem uma triste cerimônia de adeus. Parei em frente à grande obra da Via Expressa Sul com os olhos perdidos na areia branca que aos poucos vai nos roubando o mar. Tinha dentro do peito uma certa angústia, destas que batem, inexoráveis. Não sou engenheira ambiental, ainda não sei detalhes sobre a obra, mas uma coisa eu sei. É como se estivessem assassinando a beleza. Algo soa mal ali, principalmente no por-do-sol.

Refletia sobre isso e mastigava minhas mágoas quando meus olhos bateram num homem, distante de mim alguns metros. Ele também olhava a obra. Tinha o rosto vincado de sol e de mar, destes rostos que não se pode adivinhar a idade, só a profissão. Era um homem do mar, um pescador. Ficou parado por uns minutos eternos, petrificado diante da areia branca. Depois, lentamente, caminhou em direção à lama preta, velha conhecida, que fica próxima aos ranchos de pesca já em demolição.

Então começou a cerimônia. Arremangou até os joelhos as velhas calças de um tergal gris, bem desbotado. Tirou os chinelos de borracha e foi entrando na lama, pisando devagar, quase em reverência. Com os pés enterrados na sujeira do mar ele foi caminhando pra lá e pra cá. Os olhos baixos, olhando o chão, se despediam. Depois, o pescador caminhou em direção à água, já distante.

Quando seus pés encontraram o salgado do mar ele parou e volveu os olhos para a grande draga que continuava seu trabalho, jogando areia branca, engolindo a água que por muito tempo, com certeza, embalara o seu barco. Ficou ali parado, olhando fixo, parecendo fazer força para acreditar que aquilo tudo não era um sonho. Então voltou pelo mesmo caminho, os pés enterrados na lama, os olhos de novo no chão. Chegou ao meio fio e sentou sem pressa. Foi quando eu vi. Lágrimas corriam fininhas pelo meio das rugas de sol e mar.

Era um homem dizendo adeus a um mar que foi seu abrigo por décadas. Um pescador chorando esses choros sem barulho, por isso mais dolorosos. Olhei de novo para a obra da Expressa Sul e já comungando da mesma dor com aquele homem, pensei: Qual é o preço do progresso? Do conforto? Se forem as lágrimas daquele homem, não sei se vale à pena. Não tive coragem de lhe falar e fui embora com um indelével sentimento de culpa. Quando o ônibus no qual eu ia passou pelo homem, ele continuava ali, sentado no meio fio, os pés sujos de lama e o rosto crispado de dor.

20.09.1996

******
 

Hoje, 2017, sou aquele homem, as lágrimas correndo, e essa dor insuportável no peito....